Conheça nossos cursos
Conheça nossos cursos

Enem

Literatura no Enem: conheça as escolas literárias brasileiras

Vida na universidade

Como fazer a revisão bibliográfica do TCC

Enem

Literatura no Enem: conheça as escolas literárias brasileiras

Redação
Por Redação em Jun 15, 2022 12:20:23 PM | 15 min de leitura

Você conhece as escolas literárias brasileiras?

Se você está se preparando para o Enem, saiba que esse conhecimento é essencial para se sair bem nas questões de literatura.

Pensando nisso, a seguir, apresentamos os principais movimentos literários brasileiros que aparecem na prova do Enem. Fique conosco e descubra tudo sobre o assunto!

Aqui você vai conferir:
O que são escolas literárias 
As escolas literárias brasileiras 
As escolas literárias brasileiras que caem no Enem 

  1. Barroco 
  2. Arcadismo 
  3. Realismo
  4. Modernismo 

Conclusão 

Baixe agora mesmo 100 questões do ENEM e comece a estudar!

O que são escolas literárias 

Escolas literárias — ou movimentos literários — são conjuntos de produções literárias reunidas por características em comum. 

A temática, a estética — como figuras de linguagens recorrentes, por exemplo —, o papel social, o contexto social, a natureza psíquica ou filosófica, o conjunto de autores e o público são alguns dos fatores que constituem uma escola literária.

Juntos, esses denominadores demonstram uma continuidade literária que, situada cronologicamente, estabelece o que chamamos de movimento ou escola literária. 

É por isso que vemos textos de autores com mesmas características, em um mesmo período histórico, sob mesmo contexto social ou sob mesma influência filosófica pertencendo a uma mesma escola literária.

Contudo, é importante ressaltar que na literatura, assim como em outras formas de manifestação artísticas, nada é estático. 

Dessa forma, é perfeitamente possível que um texto com características barrocas (escola literária do século XVII) seja escrito hoje, assim como também é possível que um texto modernista carregue traços do realismo.  

Lembre-se que os movimentos literários são uma maneira de sistematizar didaticamente os estudos literários, e não um conjunto de regras que todos os autores devem seguir. 

>>> Leia mais: Sim, Literatura cai no Enem. Veja como se preparar para a prova

As escolas literárias brasileiras 

escolas literárias brasileiras - jovem escolhendo livro na biblioteca

No Brasil, dividimos as escolas literárias em duas grandes eras: Era Colonial e Era Nacional. 

Os movimentos literários iniciaram com a chegada dos portugueses, em 1500 (e a Carta de Pero Vaz de Caminha). O limite entre as eras é a Independência do Brasil em 1822, que marca o início da Era Nacional. 

As escolas da Era Colonial refletem a influência da literatura portuguesa, afinal elas surgiram com o descobrimento do Brasil e se sucederam até alguns anos antes da independência.

A Era Colonial é representada pelas seguintes escolas literárias:

  • Quinhentismo (de 1500 a 1601);
  • Barroco (de 1601 a 1768);
  • Arcadismo (de 1768 a 1808); 

Entre os anos 1808 e 1836 há um período de transição. 

Já a Era Nacional, reúne toda a produção literária pós-período de transição, ou seja, de 1836 até a literatura contemporânea. 

Nela, predomina a vertente estética iniciada pelos primeiros escritores, que se esforçaram para construir nossa autonomia literária e em criar uma literatura genuinamente brasileira.

A Era Nacional é representada pelas seguintes Escolas Literárias:

  • Romantismo (de 1836 a 1881);
  • Realismo e Naturalismo (de 1881 a 1922);
  • Parnasianismo (1882 a 1922)
  • Simbolismo (de 1893 a 1922);
  • Pré-Modernismo (1902 a 1922)
  • Modernismo (de 1922 a 1950);
  • Tendências contemporâneas.

Antes de falarmos mais sobre as escolas literárias brasileiras, é interessante pontuarmos que há também alguns movimentos europeus que não chegaram ao Brasil, mas que, além de influenciar a literatura brasileira, costumam cair no Enem. São elas:

Sendo assim, não poderíamos deixar de mencioná-los. 

As escolas literárias brasileiras que caem no Enem 

No tópico anterior, falamos de forma abrangente sobre as escolas literárias brasileiras. São muitas, não é mesmo?

Pensando nisso, apresentamos abaixo as características daquelas que aparecem de forma mais frequente nas questões do Enem. 

Confira abaixo quais são:

1. Barroco 

escolas literárias brasileiras - Gregório de Matos

Barroco é o estilo artístico que floresceu entre o final do século XVI e meados do século XVIII, inicialmente na Itália.

Na literatura brasileira, o marco inicial do barroco foi a publicação da obra Prosopopeia (1601), de Bento Teixeira, durante o período colonial.

Assim como na Europa, o barroco na literatura brasileira é marcado pela contradição, pela dualidade, pela riqueza de detalhes e pelo exagero. 

Características dos barroco literário brasileiro 

  • Linguagem dramática;
  • União do religioso e do profano;
  • Racionalismo;
  • Dualismo;
  • Jogo de contrastes;
  • Exagero e rebuscamento;
  • Uso de figuras de linguagem;
  • Valorização dos detalhes;
  • Cultismo (jogo de palavras);
  • Conceptismo (jogo de ideias).

Principais autores e obras do Barroco 

2. Arcadismo

O Arcadismo é uma escola literária que surgiu na Europa no século XVIII, mais precisamente entre 1756 e 1825.

No Brasil, esse movimento literário foi expressivo durante a segunda metade do século XVIII. Seus principais autores viveram em Vila Rica, atual Ouro Preto, em Minas Gerais. 

A Inconfidência Mineira é um evento que está muito ligado a essa vertente literária. 

O marco inicial do Arcadismo no Brasil foi a publicação de Obras Poéticas, de Cláudio Manuel da Costa, em 1768.

Em termos de análise literária, é possível dizer que esse movimento teve três manifestações diferentes: as obras líricas, as satíricas e as épicas.

Características do Arcadismo

  • Exaltação da natureza
  • Valorização do cotidiano e da vida simples, pastoril e no campo (bucolismo)
  • Crítica a vida nos centros urbanos
  • Linguagem simples
  • Utilização de pseudônimos
  • Objetividade
  • Temas simples: amor, vida, casamento, paisagem
  • Fugere Urbem (fugir da cidade)
  • Inutilia Truncat (cortar o inútil)
  • Aurea Mediocritas (mediocridade áurea/vida comum)
  • Locus Amoenus (refúgio ameno/agradável)

Os principais escritores do Arcadismo

3. Realismo 

escolas literárias brasileiras - Machado de Assis

O Realismo tem origem na França. No Brasil, ele surge depois do Romantismo e antes do Simbolismo, compreendendo os anos 1881 a 1893 – mesma época em que o Naturalismo e o Parnasianismo também ocorreram.

Marcado pela objetividade, pela veracidade e pela denúncia social, o Realismo brasileiro tem início com a obra Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, publicada em 1881.

Após a publicação desse romance, o escritor também publicou duas outras grandes obras realistas: Quincas Borba e Dom Casmurro.

Quando o Realismo surge no Brasil, o país passava por muitas mudanças, entre elas o processo de abolicionismo e a proclamação da República.

Todo esse cenário levou os autores realistas a rejeitarem a subjetividade e o sentimentalismo, recorrendo também a uma linguagem mais objetiva e analítica.

Não é à toa que o narrador realista faz frequentemente críticas sociopolíticas, centrada nos acontecimentos contemporâneos e na análise psicológica dos personagens.

Características do realismo brasileiro

  • Inversão dos ideais do Romantismo;
  • Enfoque no homem e no seu cotidiano;
  • Crítica social;
  • Linguagem simples e objetiva;
  • Personagens e ambientes descritos de forma detalhada.

Principais obras do realismo braisileiro

  • Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis (1881)
  • Dom Casmurro, de Machado de Assis (1899)
  • Quincas Borba, Machado de Assis (1891)
  • O Ateneu, de Raul Pompeia (1888)
  • Canções sem Metro, de Raul Pompeia (1900)

Machado e Pompeia são os autores que possuem obras com as características marcantes do realismo. Além de ambos, Aluísio Azevedo, Rodolfo Teófilo e Visconde de Taunay também têm trabalhos com marcas realistas.

4. Modernismo 

O modernismo no Brasil foi um movimento artístico, cultural e literário que se caracterizou pela liberdade estética, o nacionalismo e a crítica social.

Inspirado pelas inovações artísticas das vanguardas europeias (cubismo, futurismo, dadaísmo, expressionismo e surrealismo), o modernismo teve como marco inicial a Semana de Arte Moderna, que se realizou entre os dias 11 e 18 de fevereiro de 1922, no Theatro Municipal de São Paulo.

O modernismo no Brasil pode ser dividido em três fases, também chamadas de gerações. Conheça quais são:

Primeira fase modernista (1922-1930) – a fase heroica ou de destruição

A primeira fase do modernismo esteve voltada para a busca de uma identidade nacional.

Nesse momento, diversos artistas aproveitaram a agitação causada pela Semana de Arte Moderna para romper com os modelos preconcebidos que, segundo eles, eram limitados e impediam a criatividade.

Inspirado nas ideias das vanguardas artísticas europeias, os artistas buscam uma renovação estética. Por esse motivo, ela é conhecida como a "fase heroica", sendo a mais radical de todas.

É também chamada de "fase de destruição", pois propunha a destruição dos modelos que vigoravam no cenário artístico-cultural do país.

Características da primeira fase modernista
  • fase mais radical e nacionalista;
  • busca de uma identidade nacional;
  • maior liberdade formal com rupturas da sintaxe;
  • presença de regionalismos e linguagem informal;
  • valorização do folclore, arte e cultura popular brasileira;
  • uso de versos livres, que não possuem métrica (medida);
  • uso de versos brancos, com ausência de rimas;
  • utilização do sarcasmo e da ironia.
Autores e obras da primeira fase modernista
  • Mario de Andrade (1893-1945) - Obras: Paulicéia Desvairada (1922), Amar, Verbo Intransitivo (1927) e Macunaíma (1928).
  • Oswald de Andrade (1890-1954) - Obras: Os condenados (1922), Memórias Sentimentais de João Miramar (1924) e Pau Brasil (1925).
  • Manuel Bandeira (1886-1968) - Obras: A cinza das horas (1917), Carnaval (1919) e Libertinagem (1930).

Segunda fase modernista (1930-1945) - a fase de consolidação ou geração de 30

A segunda fase do modernismo, chamada de fase de consolidação ou geração de 30, começou em 1930 e durou até 1945, quando terminou a Segunda Guerra Mundial.

Ela apresentava maior equilíbrio e racionalidade em seus escritos.

Foi um momento de amadurecimento da literatura brasileira, caracterizado por temáticas nacionalistas, regionalistas e de caráter social, com predomínio de uma literatura mais crítica e revolucionária.

Além da prosa de ficção, a poesia brasileira também se consolidou nesse período — o que significou o maior êxito para os modernistas.

Características da segunda fase modernista
  • fase de consolidação do modernismo no Brasil;
  • vasta produção literária em poesia e prosa (poesia de 30 e romance de 30);
  • valorização do regionalismo e da linguagem popular;
  • utilização de versos livres, sem métrica, e brancos, sem rimas;
  • crítica à realidade social brasileira;
  • valorização da diversidade cultural do país;
  • temática cotidiana, social, histórica e religiosa.
Autores e obras da segunda fase modernista
  • Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) - Obras: Alguma poesia (1930), A Rosa do povo (1945) e Claro Enigma (1951).
  • Murilo Mendes (1901-1975) - Obras: Poemas (1930), A poesia em pânico (1937) e As metamorfoses (1944).
  • Jorge de Lima (1893-1953) - Obras: Novos poemas (1929), O acendedor de lampiões (1932) e O anjo (1934).
  • Cecília Meireles (1901-1964) - Obras: Espectros (1919), Romanceiro da Inconfidência (1953) e Batuque, Samba e Macumba (1935).
  • Vinicius de Moraes (1913-1980) - Obras: Poemas, Sonetos e Baladas (1946), Antologia Poética (1954), Orfeu da Conceição (1954).
  • Graciliano Ramos (1892-1953) - Obras: Vidas Secas (1938), São Bernardo (1934), Angústia (1936), Memórias do cárcere (1953).
  • José Lins do Rego (1901-1957) - Obras: Menino do Engenho (1932), Doidinho (1933), Banguê (1934) e Fogo morto (1943).
  • Jorge Amado (1912-2001) - Obras: O País do Carnaval (1930), Mar morto (1936) e Capitães da areia (1937).
  • Rachel de Queiroz (1910-2003) - Obras: O quinze (1930), Caminho das pedras (1937) e Memorial de Maria Moura (1992).
  • Érico Veríssimo (1905-1975) - Obras: Olhai os lírios do campo (1938), O Tempo e o Vento - 3 volumes (1948-1961) e Incidente em Antares (1971).
escolas literárias brasileiras - Clarice Lispector

Terceira fase modernista (1945-1960) — a geração de 45

Com o fim da Segunda Guerra Mundial e o processo de redemocratização do país, em 1945, a arte brasileira produzida na terceira fase do modernismo ganha novos contornos e linguagens.

Muitos críticos literários defendem que essa fase terminou em 1960, enquanto outros acreditam que ela perdura até o presente.

Esse momento, que ficou conhecido como “Geração de 45”, reuniu um grupo de escritores, muitas vezes chamados de neoparnasianos, que buscavam uma poesia mais equilibrada e objetiva.

Além da poesia, há uma diversidade grande na prosa com a prosa urbana, intimista e regionalista.

Características da terceira fase modernista
  • linguagem mais objetiva e equilibrada;
  • influência do Parnasianismo e Simbolismo;
  • oposição à liberdade formal;
  • forte preocupação com a estética e a perfeição;
  • valorização da métrica e da rima;
  • temática social e humana.
Autores e obras da terceira fase modernista
  • Mario Quintana (1906-1994) - Obras: Rua dos cataventos (1940), Canções (1946) e Baú de espantos (1986).
  • João Cabral de Melo Neto (1920-1999) - Obras: Pedra do sono (1942), O cão sem plumas (1950) e Morte e vida severina (1957).
  • Guimarães Rosa (1908-1967) - Obras: Sagarana (1946), Primeiras Estórias (1962) e Grande Sertão: Veredas (1956).
  • Clarice Lispector (1920-1977) - Obras: Perto do coração selvagem (1942), A paixão segundo G. H (1964) e A hora da estrela (1977).

Resumo das escolas literárias brasileiras que mais aparecem no Enem

Escolas literárias

Características

Autores e Obras

Barroco (1601 - 1768)

Caracteriza-se pelos detalhes, pelo exagero e pelo rebuscamento. Destacam-se os conceitos de cultismo e o conceptismo.

  • Gregório de Matos - Triste Bahia
  • Bento Teixeira - Prosopopeia
  • Botelho de Oliveira - Música do Parnaso

Arcadismo (1768 - 1808)

Exaltação da natureza e linguagem simples. É marcado principalmente pela simplicidade dos temas abordados.

  • Cláudio Manuel da Costa - Obras Poéticas
  • Santa Rita Durão - Caramuru
  • Tomás Antônio Gonzaga - Marília de Dirceu

Realismo (1881 - 1893)

É marcado pela objetividade, temática social e linguagem objetiva.

  • Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

Modernismo (1922 - 1950)

Divide-se em três fases:


  • 1.ª fase: renovação estética, radicalismo
  • 2.ª fase: temáticas nacionalistas
  • 3.ª fase: inovações linguísticas e experimentações artísticas


  • 1.ª fase: Manuel Bandeira - Libertinagem
  • 2.ª fase: Graciliano Ramos - Vidas Secas
  • 3.ª fase: Clarice Lispector - A Legião Estrangeira

Baixe agora mesmo 100 questões do ENEM e comece a estudar!

Conclusão

Neste artigo, falamos sobre as escolas literárias brasileiras. Se você está se preparando para o Enem, não deixe de conferir outros textos do EAD UMC sobre os conteúdos do exame. Confira abaixo nossas sugestões:

Enem

Veja mais conteúdos da UMC sobre EAD e educação

Os principais tipos de argumentação para usar na sua redação do Enem

 
6 min de leitura

O que zera a redação do Enem?

Se você está se preparando para o Enem, certamente essa pergunta já veio à sua mente: afinal, o que zera a redação do ...
11 min de leitura

Conserto ou concerto: afinal, qual é o correto?

Afinal, o correto é escrever conserto ou concerto? As duas palavras existem na língua portuguesa, mas são utilizadas em ...
5 min de leitura
Ver mais conteúdossobre Enem