Conheça nossos cursos
Conheça nossos cursos

Mercado de Trabalho

Sente que trabalha demais? Os impactos de ser um workaholic

O que faz um contador: função e área de atuação profissional

Mercado de Trabalho

Sente que trabalha demais? Os impactos de ser um workaholic

Por Redação em Apr 21, 2022 12:00:00 PM | 8 min de leitura

Você tem dificuldade de se desligar do trabalho, está constantemente fazendo horas extras e trabalha praticamente sem parar? É possível que você seja um workaholic. 

Não é nenhuma novidade que o mercado de trabalho está extremamente concorrido, ainda mais com os altos índices de desemprego. Segundo dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) de 2021, feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a falta de ocupação atinge 13,7 milhões de pessoas no Brasil. 

Sendo assim, é muito comum que os profissionais que estão empregados queiram mostrar empenho e dedicação em sua função. Contudo, muitos profissionais acabam se excedendo e entrando em uma lógica de trabalho compulsiva que não é saudável. Esses profissionais são chamados de workaholics. 

Além de afetar a saúde física e mental, trabalhar excessivamente não torna os profissionais mais produtivos e competentes. Muito pelo contrário, na maioria das vezes, identificamos profissionais mais improdutivos e menos focados. 

Neste artigo, vamos falar mais sobre o comportamento workaholic, explicando os impactos do vício no trabalho e o que fazer para mudar isso. 

Confira:
O que significa workaholic 
Os riscos para a saúde do vício em trabalho 
Acho que sou um trabalhador compulsivo. E agora? 
Conclusão

New call-to-action

O que significa workaholic 

Workaholic é um termo de origem estrangeira utilizado para designar alguém que trabalha muito e que não consegue se desligar do trabalho. Ou seja, workaholics são profissionais viciados em trabalho.

Em nossa sociedade, é muito comum que a competitividade seja estimulada no mundo do trabalho, o que faz com que muitas pessoas estejam constantemente tentando mostrar o seu valor e garantir sua melhor performance. Em decorrência desse comportamento, muitos profissionais acabam trabalhando compulsivamente, fazendo de tudo para se destacar e para atingir seus objetivos

Contudo, esse vício no trabalho não traz nenhum benefício, nem para os profissionais e muito menos para a empresa. 

Um workaholic geralmente não consegue se desligar do trabalho, mesmo fora dele, e, muitas vezes, deixa de lado sua vida pessoal, seu parceiro, filhos, pais, amigos e família, para seguir atendendo as demandas profissionais. 

Em função disso, ele está quase sempre bastante irritado, exausto e ansioso, o que acaba, ironicamente, atrapalhando seu desempenho. 

Um dos maiores receios de um workaholic é o medo de fracassar. Esse medo faz com que ele se condicione e continue sempre dando o melhor de si na busca por resultados.

Felizmente, cada vez mais, as empresas estão preocupadas com a saúde dos seus funcionários, encorajando-os a equilibrar sua vida profissional com a pessoal, o que tende a diminuir a quantidade de profissionais workaholics.

A seguir, explicamos mais detalhadamente as características de um profissional viciado em trabalho.

Como identificar uma pessoa workaholic 

Abaixo, apresentamos alguns sinais de comportamento de uma pessoa workaholic. Confira:

O primeiro a chegar e o último a sair

Chegar mais cedo no escritório ou sair um pouco mais tarde é algo que acontece de vez em quando, não é mesmo? Existem profissionais que funcionam melhor de manhã, por exemplo, outros aproveitam mais a parte da tarde. E isso não é problema nenhum!

O perigo está naquele profissional que sempre é o primeiro a chegar e o último sair. Afinal, esse hábito tem impactos profundos na qualidade de vida do profissional, sendo comum que ele esteja sempre exausto e irritado. 

Além disso, a produtividade desse profissional é muito afetada, já que pelo cansaço ele tem que fazer o dobro de esforço para manter o foco e garantir suas entregas. 

Esse comportamento pode ser um forte indício que você é ou está diante de um profissional workaholic. 

Ausência de momentos de lazer e hobbies

É normal que o trabalho tenha um lugar privilegiado na vida das pessoas, afinal, ele é o responsável pelo nosso sustento. Contudo, ele não pode ser o centro de nossas vidas. É preciso ter hobbies e momentos de lazer para se sentir realizado e manter a saúde em dia. 

Algumas pessoas passam todas as horas do dia cumprindo suas obrigações de trabalho — ou, quando não estão realmente trabalhando, estão pensando nisso. 

Em consequência, esses indivíduos têm pouco tempo, e até mesmo interesse, para qualquer outra coisa, seja em casa ou socialmente com amigos. 

O resultado disso é que seu círculo social evapora lentamente devido à falta de equilíbrio entre trabalho e vida pessoal, deixando apenas colegas e clientes em sua lista de contatos.

Estresse constante

É difícil encontrar uma pessoa que nunca tenha se estressado no trabalho. Muitas vezes, cumprir prazos e trabalhar com metas desafiadoras pode gerar algum tipo de estresse no dia a dia. 

No entanto, quando o estresse é um sentimento constante, é necessário ficar alerta. Afinal, é bem comum que pessoas viciadas em trabalho, por não conseguir se desligar do profissional, estejam sempre estressadas e de mau humor. 

Muitas vezes, inclusive, os workaholics descobrem que estão estressados e ansiosos porque não estão no trabalho, sofrendo, até mesmo, sintomas de abstinência nos finais de semana. 

Pula refeições e se priva de sono

Pular refeições e ficar sem dormir não é algo nada saudável. E se isso acontece por causa do trabalho, a situação é ainda mais preocupante. 

Muitos profissionais, supostamente para melhorar seu desempenho, não fazem intervalo de almoço e sacrificam horas de sono para seguir trabalhando. 

Esse comportamento é extremamente nocivo, podendo causar diversas enfermidades, como transtornos alimentares, ansiedade e depressão.

Verifica seus e-mails a cada cinco minutos

Checar os e-mails é algo que faz parte da rotina de quase todos os profissionais. No entanto, uma vez que você vai para casa, a postura deve ser outra. Afinal, quando acaba seu horário de trabalho, suas atividades profissionais também devem se encerrar.

Então, a menos que seja um e-mail absolutamente urgente, você não deve passar a noite respondendo ou enviando mensagens. 

Não conseguir se desconectar do trabalho é um forte indício de um profissional workaholic. 

Impaciente com todos os outros colegas

Você fica frustrado com colegas que aparentemente trabalham menos horas do que você? Isso pode ser um indício de vício no trabalho!

Para um empregador, a produtividade é mais importante do que as horas trabalhadas. Então, só porque outras pessoas saem às 17h em ponto, isso não significa que eles estão fazendo um trabalho pior do que o seu.

Pode ser que eles tenham encontrado um equilíbrio de trabalho e vida melhor e mais saudável.

Só fala de uma coisa: trabalho

Quando estamos no trabalho, é normal que esse seja o principal assunto. Contudo, só falar sobre isso é bastante problemático. Se isso acontece com você, não demorará muito para que você se desligue de todo mundo à sua volta.

Ou seja, é mais um sinal de alerta!

Os riscos para a saúde do vício em trabalho 

workaholic - homem cansando em frente ao computador

Um ritmo intenso de trabalho traz diversas consequências para a saúde humana. Falha de memória, irritabilidade, imunidade baixa e ansiedade são alguns dos mais comuns. 

No entanto, é importante pontuar que, em casos mais graves, o excesso de trabalho pode levar até mesmo à morte. É o que aponta a OMS (Organização Mundial da Saúde).

Estudo realizado pela organização revelou que 745 mil pessoas morreram em 2016 de derrame e doenças cardíacas relacionadas a longas horas de trabalho. O relatório mostra que as pessoas que vivem no Sudeste Asiático e na região do Pacífico Ocidental são as mais afetadas.

E a OMS avalia que a tendência pode piorar devido à pandemia do coronavírus. Com a crise sanitária, diversos profissionais começaram a trabalhar remotamente, de suas casas, ficando, muitas vezes, horas excedentes focado nas demandas profissionais.  

Um estudo da Universidade de Stanford, nos EUA (Estados Unidos da América) também mostra uma triste realidade relacionada ao excesso de trabalho. De acordo com a pesquisa, cerca de 120 mil estadunidenses morrem anualmente por um salário. As causas das mortes estão relacionadas a transtornos mentais e comportamentais adquiridos no trabalho.

O dado, de 2018, parece chocante, mas a realidade é que os workaholics precisam trabalhar menos se quiserem manter a saúde física e mental, assim como a qualidade de vida.

No Brasil, o cenário não é muito diferente. De acordo com dados da Previdência Social, nos primeiros meses de 2018, foram concedidas 8 mil licenças pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) a profissionais com quadros derivados do estresse. Essa informação apresenta aumento de 12% em relação ao mesmo período em 2017. 

É importante pontuarmos que o comportamento workaholic não é apenas culpa do profissional. Na grande maioria das vezes, esse colaborador está inserido em uma lógica que por muitos anos foi "glamourizada" e exaltada pela sociedade, sendo difícil se desvencilhar disso. 

Infelizmente, muitas empresas também incentivam a dedicação excessiva ao trabalho, o que torna o problema mais complexo. 

Contudo, se você deseja ter uma vida saudável, saiba que é essencial ter uma relação equilibrada com o trabalho.   

Acho que sou um trabalhador compulsivo. E agora? 

Se você se identificou com o que apresentamos nesse texto, saiba que é bem possível que você seja um workaholic. Se for o seu caso, não hesite em procurar ajuda profissional, como um psicólogo ou psiquiatra.

Por mais que ser um workaholic não seja exatamente uma doença, esse comportamento pode abrir porta para diversos transtornos mentais, como depressão e ansiedade.  

Além disso, se a fonte da sua compulsão vem da própria cultura da sua empresa, não hesite em procurar o setor de recursos humanos da instituição.

Sua saúde deve sempre vir em primeiro lugar!

Nova call to action

Conclusão

Neste artigo, explicamos as características de um workaholic e os riscos desse comportamento. 

Se você gostou deste texto, não deixe de conferir outros conteúdos da EAD Unoesc:

Mercado de Trabalho

Veja mais conteúdos da UMC sobre EAD e educação

Profissionalismo: o que é e características

Você sabe o que é profissionalismo? Quais são as características de um bom profissional? Neste artigo, vamos falar mais ...
6 min de leitura

Geração Y: o que é, idade e características

Você sabe o que é geração Y? Quais pessoas compõem esse grupo? Quais são as características dessa geração? Neste ...
8 min de leitura

Apresentação pessoal: o que é, tipos e como fazer

Você sabe o que é e como fazer uma boa apresentação pessoal? Se sua resposta é não, este artigo é para você!
7 min de leitura
Ver mais conteúdossobre Mercado de Trabalho